PROCESSO ADMINISTRATIVO FISCAL TRIBUTÁRIO COMO OPÇÃO DE DEFESA E GERENCIAMENTO DE PASSIVO

A defesa (impugnação) administrativa de Auto de Infração ou Notificação Fiscal é uma importante ferramenta para a empresa, desde que bem estudada e executada com planejamento adequado para o benefício da empresa.

A impugnação ao auto de infração deve ser elaborada por advogado tributarista preferencialmente, pois mesmo podendo ser intentada por alguém sem formação especializada, só um advogado tributário tem acesso à pesquisas, procedimentos e estrutura de trabalho apropriadas para este serviço.

A esfera administrativa nem sempre é valorizada, mas é uma excelente via que exige conhecimentos tributários e fiscais.

Os julgadores administrativos chegam tecnicamente o mais perto possível da verdade material, pois são profissionais escolhidos pela Fazenda Nacional e pelos Contribuintes, conhecedores da contabilidade, legislação tributária e processo administrativo fiscal, com comprovada experiência; enquanto que os juízes, além de julgar os assuntos tributários devem julgar as demais matérias (civil, penal, comercial, etc.).

A possibilidade de vitórias na esfera administrativa é considerável, essas vitórias podem ser totais ou parciais, e em seguida é possível utilizar a via judicial para defender o que a empresa ainda não atingiu na parte administrativa.

Assim, mesmo sendo um assunto provavelmente indefeso, a empresa ganhará tempo na esfera administrativa, motivo pelo qual dificilmente deve desperdiçá-la.

Fator importante pelo qual não se pode desperdiçar o processo administrativo fiscal, é a utilização de gestão fiscal, quando feita administrativamente será menos oneroso (os custos são menores e não tem sucumbência) do que o judicial e não chama a fiscalização à empresa.

Por exemplo:

Caso a empresa não concorde com alguma instrução normativa da receita federal (isso acontece muito) ou lei, por entender que há violação de direitos, e houver jurisprudência administrativa e judicial confirmando o ponto de vista da empresa, será melhor seguir via judicial ou administrativa?
Se a empresa optar pela esfera judicial e efetuar creditamento e houver divergência entre a Lei e a Jurisprudência, automaticamente suprime a esfera administrativa. Neste caso o Fisco será obrigado a autuar a empresa no valor dos recursos recuperados incluindo multas e juros, caso  a Receita não autue a empresa por ocasião do ingresso do processo judicial, após a decisão judicial, passados  5 anos do fato gerador, o tributo não poderá ser mais exigido, pois houve decadência do lançamento, enquanto que depois de emitido o  auto de infração, o processo judicial pode durar qualquer tempo,  e se a empresa perder, deverá pagá-lo atualizado e ainda com multas, juros e ainda  honorários de sucumbência.

Se a empresa utilizar a via administrativa, utiliza normalmente os créditos, mantém planilhas com as memórias dos cálculos, jurisprudências, exposições, contabilizando-os, apresenta normalmente todas as declarações exigidas pela Receita Federal. A empresa não se manifesta, aguarda a fiscalização chegar espontaneamente. Sendo fiscalizada a empresa apresenta os documentos e faz seus argumentos ao fiscal e se este não considerar as alegações, autua a empresa, e esta faz a defesa administrativa, e se perder na nesta esfera, resta-lhe a via judicial.

Optando pela forma administrativa, há apenas divergência na interpretação da lei, baseada em jurisprudência.

O processo judicial deve ser utilizado quando a empresa não utilizou os créditos a que a jurisprudência permite, ou seja, o tributo foi pago a maior e agora deve ser recuperado o valor anteriormente não utilizado, antes da decadência (05 anos).

A escolha do processo judicial visa reconhecer um direito que não foi utilizado e requerer sua compensação. Se a decisão judicial for contrária à empresa, não há a exigência da multa e os juros, pois os valores não foram compensados, também não se fala em auto de infração.

ETAPAS DO PROCESSO DE DEFESA ADMINISTRATIVA

Ao fim da fiscalização, o fiscal emitirá um termo de encerramento de fiscalização mencionando que não encontrou irregularidades na empresa ou emitirá um AUTO DE INFRAÇÃO, cobrando os tributos que julga serem devidos.

A defesa administrativa acontece a partir do momento da lavratura do auto de infração, anexando provas com o objetivo de reverter a cobrança dos tributos.

As defesas administrativas têm 03 (três) instâncias e esse tramite pode durar entre 03 e 05 anos, logo em seguida é possível utilizar via judicial que em média também pode durar entre 03 e 05 anos.

Durante esse período além de parcelamentos com condições especial como REFIS e afins, a realidade da empresa se transforma e opções de gerenciamento e solução surgem em favor das empresas.

INSCRIÇÕES
Garanta sua vaga na palestra!







Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM

Áreas de Atuação

revisão do fgts (pessoa física)

Revisão do FGTS (a CEF não corrigiu corretamente o saldo)

reclamação trabalhista (pessoa física)

Reclamação
Trabalhista

direito previdenciário (pessoa física)

Direito Previdenciário — INSS, Aposentadoria. Auxílios e Benefícios

redução da conta de energia eletrica (pessoa física)

Redução da conta de Energia Elétrica

usucapião - regularize seu imóvel (pessoa física)

Usucapião – Regularize seu imóvel

serviço de cobrança (pessoa física)

Cobrança Judicial e Recuperação de Créditos

indenização para o consumidor (pessoa física)

Indenizações para o Consumidor

ações contra planos de saude (pessoa física)

Ações contra Planos de Saúde

reduza dívidas bancárias de todos os tipos(pessoa física)

Reduza Dívidas Bancárias todos os tipos

comprou imóvel na planta tem direito da devolução do SATI (pessoa física)

Comprou imóvel na planta? Tem direito da devolução do SATI

desistencia da compra e distrato do contrato de imóvel na planta (pessoa física)

Desistência da Compra e Distrato do Contrato de Imóvel na Planta

atraso de obras e outras infrações contratuais de construtoras (pessoa física)

Atraso de Obras e outras de infrações contratuais de Construtoras

elaboração e revisão de contratos (pessoa física)

Elaboração e Revisão de Contratos

ações para servidores públicos (pessoa física)

Ações para Servidores Públicos (Federais, Estaduais, Municiais E Autárquicos)

inventários, arrolamentos, partilhas e testamentos (pessoa física)

Inventários, Arrolamentos, Partilhas e Testamentos

recuperação de crédito e cobrança (pessoa jurídica)

Cobrança Judicial e Recuperação de Créditos

redução do valor de refis, paes, paex e outros parcelamentos (pessoa jurídica)

Redução do valor de REFIS, PAES, PAEX e outros parcelamentos

recupere valores de parcelamentos rompidos refis, paes, paex e demais modalidades tributárias (pessoa jurídica)
Recupere valores de parcelamentos rompidos Defesas Fiscais Tributárias REFIS, PAES, PAEX e demais modalidades tributárias
defesas fiscais tributárias administrativas e judiciais (pessoa jurídica)

Defesas Fiscais Tributárias Administrativas e Judiciais

livre-se das dívidas bancárias (pessoa jurídica)

Livre-se das Dívidas Bancárias

icms ilegal é cobrado na conta de luz TUSD e TUST (pessoa jurídica)

ICMS ilegal é cobrado na conta de luz TUSD e TUST (não podem cobrar!)

recupere expressivos valores de icms, pis e cofins (pessoa jurídica)

Recupere expressivos valores de ICMS, PIS e COFINS

devolução do icms para postos de combustivel da antecipaçãp paga em valor superior ao preço da bomba (pessoa jurídica)

Devolução do ICMS ST para POSTOS DE COMBUSTÍVEIS da antecipação paga em energia elétrica contratada e valor superior ao preço da bomba

restituição de icms sobre a energia contratada e não consumida (pessoa jurídica)

Restituição de ICMS sobre a energia elétrica contratada e não consumida

empresas podem recuperar adicional de 10% do fgts (pessoa jurídica)

Empresas podem recuperar adicional de 10% do FGTS

identifique e use créditos tributários próprios (pessoa jurídica)

Identifique e use créditos tributários créditos próprios

não incidencia de contribuição previdenciária rat e contribuição de terceiros sobre verbas trabalhistas (pessoa jurídica) copy

Não incidência de contribuição previdenciária RAT e contribuição de terceiros sobre verbas trabalhistas

clinicas e laboratórios podem pedir equiparação tributária a hospitais, reduzir impostos e recuperar valores (pessoa jurídica)

Clínicas e Laboratórios podem pedir equiparação tributária à Hospitais. reduzir impostos e recuperar valores

exclusão dos tributos (icms, ipi e iss) da base de cálculo de pis e confins-faturamento (pessoa jurídica)

Exclusão dos Tributos (ICMS. Adequação do ICMS sobre IPI e ISS) da Base de Cálculo TELEFONIA em observância do PIS e COFINS/faturamento

recuperação de depósitos recursais trabalhstas (pessoa jurídica)

Recuperação de Depósitos Recursais Trabalhistas

exclusão do icms, pis e cofins da base de cálculos de pis e cofins da importação (pessoa jurídica)

Minoração do ICMS sobre Energia Elétrica em função do Princípio da Seletividade

redução de custos tributários com precatórios (pessoa jurídica)

Redução de Custos Tributários com Precatórios

defesa trabalhista para empresas (pessoa jurídica)

Defesa Trabalhista para Empresas