Por que postos de gasolina e combustíveis devem migrar do Lucro Presumido para o Lucro Real?

Em geral, postos de combustíveis que não têm contabilistas especializados no segmento pagam muito mais imposto do que precisa, pois estão equivocadamente enquadrados no regime tributário.

Por falta de conhecimento ou conveniência as empresas que revendem combustíveis são tratadas no regime fiscal conhecido como lucro presumido, e isso é um grande erro, já que têm custos muitos altos que não podem ser deduzidos na apuração tributária, e isso representa uma conta muito alta a pagar e muitas vezes dívidas que levam o posto à falência.

No mínimo esse erro de gestão tributária faz os proprietários de postos de combustíveis pagar uma conta que não era necessária.

Quando escolhemos o regime lucro presumido, significa que para calcular o quanto deve pagar de tributos, apura o total de faturamento do mês e aplica um percentual para cada imposto a pagar, como por exemplo IRPJ e CSLL, chegando a um resultado independente de ter tido lucro ou prejuízo.

No lucro real, o método de apurar o quanto deve pagar é diferente, todo mês devem apurar o quanto faturou e deduzir todas as despesas, caso tenha tido lucro, aplica o percentual de IRPJ e CSLL para realmente pagar imposto sobre o que resultou como positivo.

É uma associação simples, no lucro presumido a receita federal presume que você empresa está tendo lucro no negócio, no lucro real você efetivamente demonstra se tem ou não lucros, e, portanto, vai pagar imposto só sobre o que ganhou.

Acreditamos que a maioria dos postos de gasolina estão no lucro presumido por vários motivos que vamos comentar agora.

O trabalho de apurar lucro real é muito maior, portanto, precisam mais conhecimento técnico, mais mão de obra, o que resulta em um custo de honorários contábeis mais altos. O risco de trabalhar com lucro real também é muito maior, pois muitas multas são altas e se o escritório de contabilidade tiver que pagar por isso em caso de falha, pode ir ele à falência.

Então os contadores indicam equivocadamente que o lucro presumido é melhor porque não estão confortáveis para cobrar mais, ou para assumir riscos altos, ou até porque não sabem fazer o trabalho.

Vamos dar um exemplo de diferença de custo para uma empresa que fatura por mês R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais), e tem custos de R$ 900.000,00 (novecentos mil reais).

Se optar por lucro presumido irá pagar 15% de IRPJ e 9% de CSLL, ou seja, irá pagar 24% sobre R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais), que é R$ 240.000,00 (duzentos e quarenta mil reais). Mas se só lucrou R$ 100.000,00 (cem mil reais) acaba de entrar em prejuízo.

Já ao optar pelo lucro real irá pagar os mesmos 15% de IRPJ e 9% de CSLL, ou seja, irá pagar 24%, mas sobre o lucro de R$ 100.000,00 (cem mil reais), assim, pagará R$ 24.000,00 (vinte e quatro mil reais) e terá um lucro remanescente de R$ 76.000,00 (setenta e seis mil reais).

Então, a matemática parece óbvia, a escolha certa é o lucro real, mesmo que o contador custe bem mais caro, o lucro será mantido para a empresa que é o objetivo do negócio.

 *Gilberto Bento Júnior é advogado, contabilista e empresário, com experiência em gestão com estratégias empresariais e conhecimento em formação de preços, custos, recursos humanos, viabilização econômica e financeira. E-mail: bentojr@bentojradvogados.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *