Postado por Bento Jr Advogados em 09/09/2016 com 0 comentários
Categorias:  Publicações

Como funciona um processo trabalhista?

O processo trabalhista é um dos mais rápidos do Brasil.Mesmo assim, vamos lembrar que dependem de funcionários públicos.

Vamos explicar o básico para você se organizar e lutar pelos seus direitos.

Entre se contratar um advogado, que irá reunir seus documentos e entrar com sua reclamação trabalhista, parece razoável algo entre 15 e 20 dias.Normalmente quando protocolamos a ação trabalhista já marcam a data da audiência, que irá acontecer entre 1 e 3 meses, mas de vez em quando, em alguns fóruns mais movimentados pode levar mais tempo.Em média 50% dos casos tem acordo de pagamento, e neste caso, desde que a empresa pague o combinado, o processo acaba, e é só aguardar os recebimentos.

Na outra metade dos casos, haverá, apresentação dos motivos das partes (trabalhador e empresa) e o Juiz escutará as testemunhas, depois disso, vai a julgamento, que pode ser imediato, ou levar alguns poucos meses, é comum entre 1 e 2 meses.Do julgamento a empresa pode aceitar e pagar ou pode recorrer ao Tribunal, e neste momento já estamos com 6 meses de boa vontade do trabalhador com o tramite burocrático.

Como atualmente o Poder Judiciário Trabalhista está se informatizando, temos grandes chances de o julgamento no tribunal levar entre 3 e 6 meses.Assim, se houverem grandes surpresas ou muita resistência, um processo trabalhista atualmente no Brasil deve levar para ser solucionado entre 3 a 18 meses.

Para quem está desempregado é uma grande demora, mas ao menos, o valor a receber pode aumentar muito, vez que, além da correção monetária, os juros são de 1% ao mês sobre o total e são isentos de imposto de renda.Em um exemplo simples, se um crédito trabalhista de R$ 100.000,00 demorar um ano para ser recebido, somente pela incidência dos juros o valor aumentará para R$ 112.000,00, na hipótese se demorar 5 anos (1% ao mês em 60 meses), o valor será de R$ 160.000,00, isso tudo sem considerar a correção monetária que também deve ser calculada.

Assim, a incidência dos juros e da correção monetária acaba sendo extremamente superior a qualquer aplicação bancária conservadora existente no mercado (poupança, CDB, etc), motivo pelo qual não é verdade a ideia de que é vantajosa a demora do processo para o empregador, uma vez que, uma dívida que era pequena pode se transformar em um valor muito alto futuramente.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *