Postado por Bento Jr Advogados em 14/10/2016 com 0 comentários
Categorias:  Publicações

As pequenas e médias empresas no Brasil são campeãs de superação, convivem com excesso de tributos, crise financeira, uma lei trabalhista que torna a relação de trabalho desproporcional, falta de informação e apoio ao empreendedor, e isso, levou centenas delas a lutar ainda mais ingressando com a Recuperação Judicial.

A Lei de Recuperações Judiciais prevê a existência de um plano especial de pagamento dos credores em até 36 vezes, no entanto, no caso das MPEs, nem sempre a recuperação judicial esta não é a melhor alternativa para quem precisa lidar com problemas no fluxo de caixa.

Na maioria dos casos, deve ser o último caminho, em função do “engessamento” de negociações com credores.

Antes de decidir pelo caminho da recuperação judicial, o essencial é encontrar o problema para buscar o “remédio ideal” a fim de minimizar o impacto da crise.

Soluções

As melhores saídas para uma MPE que deve a credores seriam um choque de gestão, reorganização da estrutura e foco na renegociação das dívidas, inclusive revendo contratos e, se os mesmos estão em consonância com as normas judiciais, até estabilizar a vida financeira da empresa.

O ideal é apostar na recuperação extrajudicial – ou seja, negociar sem a presença de juiz e promotor. Neste caso, para que se passe credibilidade é preciso estratégia. É essencial contratar assessores jurídico, financeiro e contábil para dar transparência para a ação.

Gilberto Bento Jr é advogado e titular do Bento Jr Advogados.

Dúvidas sobre o artigo? Envie seus comentários através do menu lateral.

Confira todas as soluções para esta área.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *